Quarta, 17 de Agosto de 2022
25°

Nuvens esparsas

João Pessoa - PB

Brasil Política

Supremo julgará retroatividade da lei de improbidade no dia 3; decisão afeta Ricardo Coutinho, Arruda, Garotinho e César Maia

O presidente do STF, ministro Luiz Fux, marcou para o dia 3 de agosto

02/08/2022 às 07h34 Atualizada em 02/08/2022 às 19h37
Por: ImpactoPB
Compartilhe:
Supremo julgará retroatividade da lei de improbidade no dia 3; decisão afeta Ricardo Coutinho, Arruda, Garotinho e César Maia

O futuro político de diversas lideranças políticas, se podem ou não ser candidatas em 2022, todas envolvidas no atual processo eleitoral, a exemplo dos ex-governadores Ricardo Coutinho, Garotinho, José Arruda do DF, e César Maia agora depende de importante sessão que o Supremo Tribunal Federal promoverá na próxima quarta-feira (3), decidindo sobre lei de improbidade administrativa, matéria essa a afetar as lideranças.

Segundo o site Migalhas, ainda nesta segunda-feira (1), o STJ também deliberou pela suspensão da decisão anterior que tornava o ex-governador José Arruda elegível, o que deixa de se efetivar com a medida de hoje.

Decisão do STF

O presidente do STF, ministro Luiz Fux, marcou para o dia 3 de agosto o julgamento que vai definir se as alterações na lei de improbidade administrativa (lei 8.429/92) inseridas pela lei 14.230/21 podem ser aplicadas retroativamente ao prazo de prescrição para as ações de ressarcimento e aos atos de improbidade administrativa na modalidade culposa.

A matéria, discutida no ARE 843.989, teve repercussão geral reconhecida em fevereiro deste ano.

Prescrição

No caso em análise, o INSS ajuizou ação civil pública, com o objetivo de condenar uma procuradora, contratada para defender em juízo os interesses da autarquia, ao ressarcimento dos prejuízos sofridos em razão de sua atuação. A procuradora atuou entre 1994 e 1999, e a ação foi proposta em 2006.

O juízo de 1º grau julgou improcedente o pedido, por considerar que não houve ato de improbidade administrativa, e condenou o INSS ao pagamento de multa por litigância de má-fé, custas processuais e honorários advocatícios. O TRF da 4ª região, contudo, anulou a sentença e determinou a abertura de nova instrução processual.

No recurso ao STF, a ex-procuradora argumenta que a ação seria inviável por ter sido proposta após o prazo prescricional de cinco anos. Sustenta, ainda, que a imprescritibilidade prevista na Constituição (artigo 37, parágrafo 5º) se refere a danos decorrentes de atos de improbidade administrativa, e não a ilícito civil.

Relevância

Em manifestação no plenário virtual pelo reconhecimento da repercussão geral, o ministro Alexandre de Moraes, relator do recurso, observou que a controvérsia é de “suma importância” para o cenário político, social e jurídico e que o interesse sobre a matéria ultrapassa as partes envolvidas.

Moraes explica que, mesmo sem definir se a procuradora atuou com dolo ou culpa, o TRF-4 já antecipou, no julgamento de embargos de declaração, o entendimento sobre a imprescritibilidade da pretensão de ressarcimento de danos causados ao erário por atos de improbidade administrativa ocorridos após CF/88. Observou, ainda, que o INSS, no pedido de ressarcimento, atribui à procuradora conduta negligente (culposa) na condução dos processos judiciais.

Segundo S. Exa., a decisão do TRF-4 quanto à imprescritibilidade, somada à ausência de menção a dolo no processo e ao advento da lei 14.230/21, que tornou o dolo imprescindível para a configuração do ato de improbidade administrativa, torna necessário que o STF defina se as novidades inseridas na LIA devem retroagir para beneficiar quem eventualmente tenha cometido atos de improbidade na modalidade culposa, inclusive quanto ao prazo de prescrição para as ações de ressarcimento.

Suspensão de recursos especiais

Após o reconhecimento da repercussão geral, o ministro Alexandre de Moraes decretou que se suspenda, no STJ, o processamento dos REsps em que for suscitada, ainda que por simples petição, a aplicação retroativa da lei 14.230/21. S. Exa. considera a medida necessária para evitar juízos conflitantes com a futura decisão do Supremo.

Redação c/wscom

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias